Sensibilidade Ambiental



Eu sou o Vinicius Frayze David, possuo graduação em Psicologia e mestrado em Psicobiologia, ambos pela USP de Ribeirão Preto. Atualmente faço doutorado em Psicologia Experimental no Instituto de Psicologia da USP de São Paulo. Atuo junto ao Painel USP de gêmeos há mais de 6 anos, ajudando as pesquisadoras e pesquisadores com a análise de dados (estatística) e também com um projeto pessoal. Minha pesquisa discute o conceito de Sensibilidade Ambiental. Essa é uma proposta que começou a ser desenvolvida na década de 90 e se propõe ser uma alternativa à ideia de resiliência. Em termos gerais, ela sugere que as pessoas não seriam mais ou menos resilientes (resistentes) aos estímulos e situações do ambiente, mas sim os perceberiam de maneiras diferentes. Em outras palavras, ao invés de supor que percebemos as coisas do ambiente de forma similar e depois alguns seriam mais sensíveis do que outros, nessa proposta cada indivíduo perceberia o ambiente de maneira distinta, sendo que alguns se incomodam mais com os aspectos do ambiente e seriam mais sensíveis, enquanto outros seriam menos sensíveis, formando diferentes classes de indivíduos. Além disso, acredita-se que esse aspecto teria uma influência da genética e das experiências da infância. Ambientes mais positivos ajudariam a formar pessoas mais sensíveis e ser sensível pode ser uma vantagem, criando pessoas que são mais atentas ao contexto e apreciariam coisas como a arte mais do que os menos sensíveis, ainda que também se incomodem mais com coisas que percebem como negativas.

Em 2020, um estudo com gêmeos adolescentes mostrou que há sim um aspecto genético nessa característica, sendo que as variações genéticas explicam aproximadamente 45%, restando 55% que seriam explicados pelas diferentes experiências de cada um. Na minha pesquisa eu avalio essa característica em crianças gêmeas para verificar a importância da genética em pessoas mais jovens do que a pesquisa de 2020, visando também investigar se, por serem mais novas e terem tido menos experiências, a genética se torna ainda mais importante.

0 comentário