É possível que hábitos alimentares influenciem na probabilidade de gestação de gêmeos dizigóticos?



Olá a todos! Trouxemos mais uma curiosidade sobre gêmeos para vocês!


A pergunta de hoje é:


É possível que hábitos alimentares influenciem na probabilidade de gestação de gêmeos dizigóticos?


E a resposta é….



É possível!


Entre os iorubás, um grupo étnico do sudoeste da Nigéria, é observada uma forte relação entre o consumo de inhame-de-São-Tomé e a alta taxa de gêmeos dizigóticos (fraternos), desde 1970. O inhame-de-São-Tomé é comum na África e é possível que tenha propriedades de indução de fertilidade, pois é provável que o organismo da mulher perceba erroneamente que a taxa de estrogênio está baixa, fomentando a produção do hormônio FSH (folículo estimulante), o qual estimula a ovulação. Um estudo em ratos de 2015, mostrou essa correlação entre o consumo de inhame-de-São-Tomé e o aumento da produção de hormônios FSH (Dr. F. Naftolin, Personal Communication, 2015). Há também a presença maior de mães com gêmeos dizigóticos entre as que têm menor nível socioeconômico, em que o inhame-de-São-Tomé está presente em maior quantidade nas dietas. A gestação de gêmeos dizigóticos, notoriamente, é influenciada por muitos fatores e entre as iorubás há a presença de fatores genéticos, alimentares e outros na ocorrência destas gestações. Outros estudos mostram que muitos alimentos e vitaminas podem influenciar na gestação de gêmeos DZ. Por exemplo, há influência do consumo de lacticínios no aumento da probabilidade do nascimento de dizigóticos. Mulheres veganas apresentam menor taxa de gestação de gêmeos fraternais. É importante ressaltar que as influências alimentares se aplicam aos grupos, não a todos os indivíduos do grupo, de modo que não há garantia que determinada dieta aumentará ou diminuirá a chance de se ter gêmeos dizigóticos.


E aí, gostou da nossa curiosidade de hoje?


Já sabia que era possível? Conta para a gente nos comentários!


Ah, e aproveita para nos dizer qual a próxima curiosidade que você gostaria de ver aqui!



Fonte: SEGAL, N. L., Twin Mythconceptions: False Beliefs, Fables and Facts about Twins. Academic Press, 1st Edition, February, 2017.

0 comentário