Existe interação social entre fetos gêmeos ainda no útero?

 

Com a técnica de exames de ultrassom 4D, hoje temos acesso à imagens mais nítidas da vida intrauterina que permitem o detalhamento do comportamento e o estudo das expressões faciais dos fetos. Atualmente é comum ver imagens do início do segundo trimestre de gestação mostrando comportamentos como chupar o dedo, expulsar a língua, bocejar, e até mesmo exibindo expressões faciais de choro e o riso, mesmo não sendo possível concluir que estejam associadas ao sofrimento ou alegria.

 

Recentemente pesquisadores observaram que as características espaciais e temporais dos movimentos dos fetos não eram descoordenados e pareciam ter um nível avançado de planejamento motor. A partir desta descoberta resolveram estudar os movimentos de fetos gêmeos, pois até então o toque entre eles era atribuído ao comportamento reflexo, um comportamento automático não intencional...

 

A pesquisa mostrou que os toques dirigidos ao irmão eram mais longos e aumentaram a frequência conforme o avanço da gestação em relação aos toques auto dirigidos, que eram mais curtos e diminuíram ao longo do tempo. Esta pesquisa deverá ser replicada com um número maior de participantes com o objetivo de confirmar os resultados. Mas se forem confirmados, esta diferença sugere que os movimentos não são acidentais, mas que existe a intenção de atingir o co-gêmeo e portanto uma forma de interação social inicial entre irmãos ainda no útero!

Texto escrito por

Tania Kiehl Lucci

É psicóloga, atualmente doutoranda do Programa de Pós-graduação do departamento de Psicologia Experimental da USP e Funcionária da USP do Programa  Técnico de Nível Superior para Grupos de Excelência (PROCONTES).