Léa e Maura, as gêmeas de Guignard (1940)


Alberto da Veiga Guignard (1896-1962) é considerado um dos importantes pintores brasileiros do século XX. Léa e Maura é uma pintura de 1940 que se encontra no Museu Nacional de Belas Artes. Ganhou o Prêmio de Viagem ao País, no 46º Salão Nacional de Belas-Artes, em 1943. As gêmeas, filhas do senador Barros Carvalho, foram retratadas por ele tendo por fundo uma vista do bairro de Laranjeiras, do Rio de Janeiro.


Chama atenção as semelhanças e a atenção a detalhes do pintor. As moças usam vestidos e penteados idênticos e parecem muito recatadas, com os vestidos fechados até o pescoço. Diferenças entre Léa e Maura também foram captadas pelo artista. Léa parece esboçar um sorriso passando a impressão que é mais sociável que a irmã. Maura parece mais séria e menos sociável, suscitando a interpretação que não queria estar posando para o quadro. A postura das mãos também é diferente. Qual delas lhe parece mais relaxada?


Confira também:

- Comentários da tela pela Fundação Guignard.

- Comentários de Catherine Beltrão sobre a obra e a vida de Léa e seu marido, no blog ArtenaRede.

- Uma reportagem do site Lu Lacerda sobre a visita de Nancy Segal ao Museu Nacional de Belas Artes, onde ela foi fotografada ao lado do quadro.

- Guignard – A memória plástica do Brasil moderno. Paulo Sergio Duarte (Curadoria e Texto). São Paulo: Museu de Arte Moderna de São Paulo, 2015. 152 p. (As Gêmeas nas pp. 13-14)

- Um mundo a perder de vista: Guignard. Curadoria de José Augusto Ribeiro. Porto Alegre: Fundação Iberê Camargo, 2008. 76 p. il. (As Gêmeas nas pp. 18-19)


Texto: Emma Otta

Entre em contato:
(11) 3091-0022

paineluspgemeos@usp.br

Av. Prof. Mello Moraes, 1721
Instituto de Psicologia, Cidade Universitária

São Paulo - SP